Google+ Badge

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

TRF-4 traduz o golpe dos golpistas e decreta a prisão de Lula: dia 24 de janeiro — Luta contra os bárbaros tem de ir às ruas

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


"Os tribunais devem ser movidos pelo dever de fazer justiça, segundo as leis, o devido processo legal, e prazos que assegurem amplo direito de defesa. Interditar Lula é casuísmo". (Dilma Rousseff, presidenta legítima e deposta por um golpe de estado de direita, que teve e tem a cumplicidade e a aquiescência do Judiciário e do MPF)

Uma coisa é certa: o dia 24 de janeiro de 2018 é o dia que a democracia será imolada para depois ser desterrada na cara do povo, que mais uma vez como cordeiro irá testemunhar também e empalação do Estado Democrático de Direito, sem reagir e protestar contra a prisão de um dos principais vultos da história do Brasil, na pessoa de Luiz Inácio Lula da Silva — o Lula.

Seus algozes são muitos, a começar pela passividade de um povo que foi beneficiado e recebeu respeito, mas se calou e, quieto, acumpliciou-se, mesmo de forma não intencional, aos ferozes golpistas e usurpadores, que tomaram de assalto a Presidência da República, bem como os arrependidos tardios de inúmeros setores e segmentos, que compuseram com a direita brasileira e depois perceberam o grave erro cometido por terem atacado o PT e seus governos democráticos e desenvolvimentistas, porque "magnetizados" pelas campanhas insidiosas e odientas promovidas pelos grupos midiáticos sistematicamente durante 13 anos.

Lideranças populares e historicamente compromissadas com os interesses da população brasileira que sofreram um golpe de estado tão violento, que o próprio povo está a ver e a observar o quanto perdeu e ainda perderá no que é relativo aos seus direitos sociais e garantias fundamentais, porque, prepare-se, a ditadura de fato está ainda por vir depois da prisão injusta e imoral de Lula. Saíram os militares e entraram os juízes e procuradores, que transformaram a Lei e o Direito em párias submetidos às suas vontades e verdades.

Pobre da nação que tem uma Justiça que se corrompeu e um Ministério Público que se dedicou a intervir na política para que o inimigo político e ideológico, no caso o Lula, a Dilma e o PT, não tivesse condições de se defender de forma republicana e constitucional, a acarretar a desmoralização do processo político e a derrubada do sistema democrático, a partir da quarta derrota eleitoral sofrida pelo establishment econômico e financeiro nacional e internacional, que têm e continua a ter como testas de ferro e porta-vozes  o PSDB, o PMDB, o DEM, o PPS e os meios de comunicação privados, à frente deles o Grupo Globo.

Contudo, a aliança entre os partidos de direita e a famiglia Marinho, além de outros bilionários também proprietários do sistema midiático umbilicalmente ligado aos banqueiros, não era suficiente para derrubar uma presidente legalmente e constitucionalmente reeleita com 54,5 milhões de votos, bem como efetivar uma perseguição a um ex-presidente como o Lula, contra quem crime nenhum foi comprovado, assim como ser uma liderança popular de grandeza internacional e histórica, sem a participação de segmentos de "elite" do Estado burguês.

Setores compromissados com o status quo nacional e internacional, a exemplo de STF, PGR, TSE, TCU, TRF-4, PF e tribunais de primeira instância, a ser a Lava Jato do juiz partidário, seletivo e tucano, Sérgio Moro, dos procuradores do powerpoint leviano e mentiroso e dos delegados aecistas a ponta de lança dos interesses mais prementes da burguesia nacional, dos trustes transnacionais e dos governos estrangeiros, notadamente o dos Estados Unidos.

Com a entrada da Lava Jato no processo político e ideológico, os políticos golpistas do PMDB, do PSDB e do DEM e os magnatas bilionários de imprensa e seus sequazes passaram a contar com o apoio político e sustentação jurídica do Judiciário e do MPF, instituição e corporação que passaram a judicializar os mandatos de Lula e de Dilma e a criminalizar todo e qualquer ato e ação de governança e administração, no que é relativo a governar o País, porque eleitos e reeleitos pelo povo para exercer seus mandatos conquistados pelas urnas soberanas, ou seja, governar.

Os programas de inclusão social do PT e os projetos de soberania e independência para o País, inclusive no âmbito diplomático, além do conteúdo nacional exigido pelo Brasil junto aos seus parceiros comerciais do exterior, realmente desagradou profundamente a provinciana e colonizada burguesia brasileira proprietária centenária da casa grande, de forma que se tornou imperativa a participação do sistema Judiciário no combate aos governos do PT e às suas mais importantes lideranças. Sem dúvida, as políticas públicas de distribuição de renda e riqueza ao povo e trabalhadores brasileiros causaram profundos sentimentos de rancor e ódio por parte da burguesia e da pequena burguesia. 

Contudo e apesar de tudo, não existe outra saída ou opção, pois sempre há um preço a pagar: os juízes, procuradores e delegados terão, no decorrer do tempo, suas imagens indelevelmente desgastadas e serão duramente questionados, como aconteceu e ainda acontece com os militares, principalmente quando eles deixaram o poder nos primeiros quinze anos e até hoje tentam recuperar a confiança de parte importante e numerosa da sociedade. E observe que já foi muito pior a rejeição aos militares a partir, principalmente, de 1968 com a imposição do AI-5.

Não há, porém, como a sociedade civil organizada e dezenas de milhões de brasileiros que votaram em Dilma Rousseff, em 2014, e que desejam, sem sombra de dúvida, o retorno de Lula à Presidência da República, não se sentirem traídos e expressarem com o tempo profunda rejeição aos servidores golpistas do STF, do MPF e da PF, porque as pessoas sempre haverão de se lembrar que seus votos perderam a soberania, pois foram desrespeitadas por uma escória de bandidos, que tomou de assalto o Palácio do Planalto, com a cumplicidade e a aquiescência do STF e da PGR.

Golpistas que resolveram interditar a política e demonizar as esquerdas e os setores progressistas da sociedade civil, principalmente após as micaretas dos coxinhas celerados de classe média. O STF e a PGR (MPF), por intermédio da Lava Jato, seu braço de guerra ideológico e partidário, perceberam ser a crise entre o Executivo e o Legislativo uma ótima oportunidade para hipertrofiar o Poder Judiciário, que hoje, de forma sórdida e infame, está a governar ilegalmente o Brasil.

Juízes que, como os do TRF-4, usurpam a cidadania, a decisão das urnas e a governança do eleito ou eleita, a inclusive um de seus membros, o desembargador e presidente do Tribunal, Carlos Eudardo Lenz, considerar, antes de qualquer julgamento, que a sentença condenatória do juiz Sérgio Moro é "irretocável", ou seja, perfeita, apesar de o próprio Moro reconhecer que não há provas contra o Lula. Lenz, mesmo assim, considera perfeita a sentença, que, evidentemente, entrará para a história do Direito e da Jurisprudência como uma das maiores aberrações e injustiças cometidas por um magistrado contra um cidadão, no caso o Lula. Simplesmente surreal.    

Enquanto a porca torce o rabo, o tenebroso e desditoso juiz do STF, Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, está a querer implantar a fórceps no Brasil o semipresidencialismo, que é uma forma canalha de impor a vontade da minoria golpista e usurpadora sobre a grande maioria que é o povo brasileiro. Esta jogada infame tem por finalidade manter, indefinidamente, o poder nas mãos da casa grande, assim como afastar qualquer "perigo" de um candidato de esquerda e trabalhista conquistar novamente a cadeira de presidente da República.

Seria então o golpe do golpe do golpe em apenas dois anos, um recorde mundial da "elite" cucaracha e bananeira, mas de índole e alma escravocrata. Pois, vejamos: 1) derrubada de Dilma Rousseff; 2) perseguição a Lula e impedimento de sua candidatura; e, por fim, 3) o semipresidencialismo de terceiro mundo, a ter o condestável juiz Gilmar Mendes, o presidente da Câmara e o presidente (fantoche) eleito a mandarem no Brasil, sem ouvir a população por intermédio de referendo.

Seria, portanto, a reedição dos "Três Patetas", apelido dado pelo deputado Ulysses Guimarães à Junta Militar, em 1969, que assumiu rapidamente o poder após a morte do presidente-general Costa e Silva, até que o general Emílio Garrastazu Médici fosse empossado e, com efeito, a se tornar o terceiro dos cinco presidentes militares do regime militar iniciado em 1º de abril de 1964. Então, cara pálida, ainda duvida que o Brasil é vítima de um golpe de estado ocorrido em 2016? E que os golpistas não passam de sujeitos ordinários e sacripantas, que deveriam ser retirados do Palácio do Planalto a pontapés pelo povo brasileiro? Não acha?

O Poder Judiciário é o único poder da República desprovido do voto popular e a se utilizar, inconvenientemente, do Direito para intervir com mão de ferro no processo político brasileiro, a criar aberrações jurídicas e judiciárias, a favorecer assim a permanência dos golpistas e usurpadores no poder central, além de impedir a candidatura do político mais popular do Brasil e da América Latina — o senhor Luiz Inácio Lula da Silva.

Togados e meganhas que estão à frente desse processo kafkiano, que consolidará o golpe de direita contra os interesses do Brasil e do seu povo trabalhador, com o afastamento imoral e injusto do candidato preferido da população, cujo nome é Lula. Entretanto, o jogo bruto continua e Lula irá recorrer, condenado em segunda instância ou não pelos juízes que sequestraram a democracia e desconstruíram o Direito, para impor jurisprudências arbitrárias e impróprias à civilização e ao ato nobre de se fazer justiça.

Por sua vez, certamente que o povo brasileiro, apesar da letargia que ocorre na sociedade deste País, estará de olho a observar o Judiciário e sua disposição autoritária e desrespeitosa de retirar-lhe o direito incondicional e intransferível de votar no candidato que quiser, a preservar sua autonomia e autoestima. Porém, o candidato que o povo quer, para o bem da democracia e do restabelecimento do Estado de Direito é o Lula. A guerra tem de ser travada nas ruas. Lula tem de ser redimido e os que traíram o Brasil têm de ser severamente punidos. Chega da Banânia da casa grande. Civilização! É isso aí.





terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Globo quer Lula preso, mas não quer irmãos Marinho na prisão — Por que será?

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

Concentração das mídias dá aos irmãos Marinho US$ 28,1 bilhões. Marco regulatório já!


Eu estava a ver e a ler algumas capas de jornais e revistas por meio de tablet, como quase sempre faço nos inícios da manhã, além de ver e ouvir alguns jornais matutinos pelas televisões abertas e fechadas, apesar de considerar muito desagradável ter de ver, ler e ouvir os jornalistas da chamada imprensa velha e de mercado, politicamente conservadora e ideologicamente de direita, além de refratária ao desenvolvimento econômico e social do Brasil, bem como contrária à soberania do País e a emancipação total do povo brasileiro.

A obrigação profissional me força a ter de aturá-los e, para a minha "surpresa" neste dia 12 de dezembro de 2017, deparei-me com algo escabroso e absurdamente sórdido e infame: o jornal O Globo, conhecido pelos seus arrivismos e hedonismos atávicos, pede a prisão do ex-presidente Lula, por intermédio de um editorial manipulador e irreal, pois pleno de má-fé, em um texto mínimo, que enlameia pela milionésima vez o pasquim dos Marinho, que há muito tempo abandonou o jornalismo e optou por fazer jograis de guerra comercial, política, partidária e ideológica.

Exatamente. O Grupo Globo dos irmãos Marinho, cuja alcunha em passado recente era "Organizações(?)", nomenclatura muito peculiar a tal oligopólio das comunicações de negócios privados, que indevidamente e arbitrariamente interdita o processo político e a democracia do Brasil e inferniza há décadas a vida do povo brasileiro.

A Nação que não consegue se livrar das garras de um dos piores trustes econômicos de essência imperialista, que se tornou para milhões de cidadãos um câncer a matar sem dar trégua à luta histórica das forças progressistas pela soberania e a independência do Brasil. Um câncer que corrói por dentro e por fora o tecido social brasileiro, a aliar-se, indubitavelmente, aos interesses de empresas transnacionais e aos governos dos países considerados desenvolvidos, a ter os EUA como o senhor de sua Corte de terceiro mundo.  

E assim caminha O Globo e todas empresas desse truste econômico e midiático que tem por sina emplacar seus interesses e tomar conta da agenda da Presidência da República e, com efeito, determinar o que se deve ser feito no Brasil ou não, a fazer o papel de feitor da sociedade brasileira, de chefe e doutrinador dos fantoches, que assumem legalmente ou tomam de assalto ou Palácio do Planalto, a exemplo do golpista e usurpador *mi-shell temer ou de associados político-partidários mais estáveis ao paladar e às vontades da família Marinho.

Sócios do Grupo Globo e da política de baixo nível, a ter o golpismo bananeiro mas violento como DNA, a exemplo do PSDB de Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Geraldo Alckmin — o triunvirato tucano, que perdeu de vez a vergonha na cara, mandou às favas os escrúpulos e entrou de cabeça, ou melhor, de corpo inteiro na aventura modorrenta e lúgubre do golpe de estado de 2016 contra a presidente legítima e constitucional, Dilma Rousseff, que teve das urnas 54,5 milhões de votos, a ser derrubada por verdadeiros bandidos, que tiveram o apoio e a cobertura "generosa" e grandiloquente das Organizações(?) Globo — o câncer do Brasil.

Por tudo isto e por causa disto tudo, porque acostumado a fazer e acontecer sem ninguém se contrapor de forma dura contra tais incongruências, O Globo ousa e se atreve, sem vacilar, a atacar aqueles que o truste considera como inimigos, a exemplo de Lula, e, consequentemente, tem a petulância de usar seu editorialzinho de hoje como trombone para pedir que o líder das pesquisas no que concerne às eleições presidenciais de 2018 seja preso.

Pede a prisão de um homem que, após três anos de perseguições das mais infames e de desrespeitos justificados somente pelos covardes, tem comprovado, ipsis litteris, não ter cometido malfeitos, fatos esses que têm ocasionado fortes dores de cabeças para procuradores, juízes e delegados, que estão a agir e a trabalhar à revelia da Lei e a cometer Lawfare, de forma diabólica para que Lula seja politicamente destruído e que o PT seja banido da conjuntura partidária brasileira. É o fim da picada.

Acontece que o partidário e sectário O Globo e as empresas dos Marinho em  geral estão desesperados com a posição de liderança de Lula na escala eleitoral, além de seus jornalistas terem percebido que seus supostos crimes, volto a ressaltar, nunca foram comprovados por policiais da PF, procuradores e juiz de primeira instância, que ora fazem da Lava Jato um bunker da direita persecutória e seletiva.

A verdade é que a direita dona da Banânia percebeu que incontáveis juristas, professores e especialistas, além de inúmeros setores e segmentos importantes da sociedade civil brasileira e internacional estão a questionar duramente, inclusive oficialmente por intermédio dos fóruns apropriados, as ações e os atos ilegais, muitos deles criminosos do Judiciário, do MPF e da imprensa comercial e privada.

Os togados e meganhas, definitivamente, perderam a modéstia e "correram para o abraço" das luzes da imprensa, a se locupletarem com o poder desmedido e autoritário por intermédio da hipertrofia do Judiciário perante os outros poderes da República. Pobre do país que fica sob a tutela política de juiz...  Trata-se da Justiça burguesa, com punhos de renda e a usar casaca para se sentir fidalga. Ponto!

Por sua vez, setores da iniciativa privada mancomunados com o Judiciário lutam, caninamente, para que o Estado de Direito e a democracia não seja restabelecido, pois a intenção é manter o regime de exceção liderado por *mishell temer, mas ridiculamente disfarçado, de maneira que a direita controle o processo político e eleitoral até agosto de 2018, quando os partidos consolidam seus candidatos junto ao TSE, realidade esta mórbida e covarde, mas que aumentaria as chances de o consórcio de golpistas permanecerem no poder usurpado com Lula ou não a concorrer as eleições.   

Por isto o desespero do truste internacional e imperialista que se autodenomina Grupo Globo. O incômodo é enorme e as ratazanas de redações de tal desditoso grupo econômico de poder até o momento incomensurável não sabem mais o que fazer, porque até mesmo suas matérias levianas, manipuladas e mentirosas, sendo que uma delas serviu de subsídio, inacreditavelmente, para a sentença rastaquera e mequetrefe do juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, que condenou sem provas e de forma surreal o ex-presidente Lula a mais de nove anos de prisão. Aconteceu na Banânia dos golpistas... E durma-se com um barulho desse.

Então, fiquemos assim: a família Marinho já sabe, de antemão, que Lula não pode concorrer às eleições, porque além de revogar a bandalheira e a roubalheira perpetrada pelo pária e usurpador *mi-shell temer e seus cúmplices de golpe de estado, de crimes de lesa-pátria e administração de arrasa-quarteirão, o líder trabalhista e de esquerda já avisou que efetivará o marco regulatório para os meios de comunicação, bem como retomará os programas de inclusão social e o projeto de soberania do Brasil, cuja sua total independência é o norte para quem tanto ama esta Pátria.

E tudo isto, definitivamente, não interessa à casa grande escravocrata brasileira e, principalmente, ao câncer do Brasil, denominado de Grupo Globo. O nome o diz bem:grupo, que significa "conjunto de pessoas que apresentam o mesmo comportamento, a mesma atitude e com um objetivo comum que condiciona a coesão de seus membros".

O horror dessa gente é o tiro do golpe de los macaquitos, cucarachas e bananeiros da casa grande tupiniquim e provinciana sair pela culatra. A "elite" centenariamente colonizada e subalterna, que tem em suas veias a vocação para o erro e ser eternamente de terceiro mundo. É irremediável o fracasso dessa gente pequena e ordinária para o fracasso como suposta liderança para a Nação.

Afinal, apostar tudo em um crime inominável, inesquecível e inaceitável como o foi e o é o golpe de estado de 2016 e depois ter de ver o Lula ou outro candidato no poder, que não seja da freguesia dessa escória não deve ser brincadeira. E por quê? Porque mandar tudo para o espaço, inclusive a civilização, dar a cara a tapa como golpista e usurpador, ser considerado mundialmente como traidor e expor sua reputação, à mercê de ser considerado mau caráter se torna um processo sem volta.

A partir da hora que o consórcio golpista de direita, composto pelo STF, PGR (MPF), PF, imprensa de mercado e Congresso, notadamente o PMDB, PSDB, DEM e PPS, Fiesp e ruralistas, a incluir os coxinhas celerados de classe média, resolveram rasgar a Constituição, mandar para o espaço o Estado de Direito e vender em um feirão a soberania do Brasil para a gringada malandra e esperta, com sangue secular da pirataria em suas veias, nota-se, sem sombra de dúvida, que a direita tomou o poder de assalto e fará todo tipo de casuísmo, covardia e bandidagem para que e esquerda, principalmente o Lula, não conquista novamente o poder central.

A direita do golpe bananeiro e violento se expôs irremediavelmente, a jogar na lama e no lodo sua reputação, que frequentará as páginas mais sombrias e indignas da história do Brasil. Isto é certo! *mi-shell temer do PMDB, o PSDB e o Grupo Globo, além do Judiciário, ficarão para sempre na memória do povo brasileiro como golpista totalmente irresponsáveis, a provar e comprovar que as "elites" brasileiras são completamente apátridas, párias, covardes, traidoras, violentas, canalhas, colonizadas, subalternas e portadoras de um incomensurável complexo de vira-lata.

Lula, no poder, revogará a bandalheira dos criminosos do golpe de estado de 2016. Irá também efetivar o marco regulatório para os meios de comunicação, no que tange à ordem econômica, regulatória e regulamentar. Todos os setores de atividade humana são regulamentados, mas apenas esses calhordas bilionários que mandam na imprensa comercial e privada (privada nos dois sentidos, tá?!) agem a seus bel-prazeres, a confundir a população e a mentir que o marco regulatório é censura, quando todos os países civilizados, que esses bárbaros donos da imprensa de mercado tanto admiram, já implementaram seus marcos no que diz respeito ao negócio meio de comunicação. A regulamentação é de fundo econômico e não de conteúdo, ou seja, o que se pensa, diz e escreve.

A regulamentação dos meios de comunicação não é censura, mas, sim, proteção e defesa da cidadania e dos interesses da Nação. Regulamentar as diferentes mídias é democratizar a informação e não permitir que gente da estirpe da família Marinho peça coisas insanas e perversas, a ter como intenção pressionar juízes e procuradores, ao pedir a prisão de Lula, na maior cara de pau e desfaçatez, quando a verdade é que tal famiglia deveria se preocupar com as inúmeras acusações e denúncias de ter cometido crimes — seus próprios crimes —, que estão a ser blindados, inclusive pela Justiça e o MPF.

Togados e meganhas alinhados à imprensa meramente mercantil e alienígena, que jamais interpelaram os irmãos Marinho sobre tais fatos nebulosos, que deveriam chegar ao conhecimento do povo brasileiro, como chegam os acontecimentos da Lava Jato pelas empresas dos Marinho, quando sempre interessa demonizar o PT e desconstruir as imagens de Lula e Dilma Rousseff, bem como seus aliados políticos e partidários. Qual é o problema, Justissa (com dois "SS" mesmo)? Só por que os bilionários de tradições golpistas não são do PT?

As acusações contra tal famiglia Marinho de ter incorrido em crimes são robustas e essa gente não publica nada vezes nada... Agora, passo a falar das outras famiglias, que controlam os meios de comunicação, porque também dependentes, como os Marinho, não apenas do dinheiro do Estado, mas, sobretudo, da cumplicidade dos agentes do Estado pagos pelo contribuinte, mas que, partidários, injustos e seletivos, preferem fazer vistas grossas, além de possuírem ouvidos moucos.

Então tá. O editorialzinho rastaquera e mequetrefe de O Globo pede a prisão de Lula em nome da "Igualdade". Não é piada. É verdade. Igualdade é com os irmãos Marinho. Ôxe! Hipocrisia e cinismo, mas a verdade doa a quem doer. Deveria-se, então, pedir a prisão dos irmãos Marinho. Não é verdade? Por que não? Todo mundo quer igualdade, menos os Marinho, porque se de fato eles quisessem a "Igualdade" publicada no editorialzinho de palavras cretinas, certamente que o trio de bilionários não apoiaria golpes de Estado para favorecer os ricos, os muitos ricos e os ricos absurdamente demais, sendo que esta última classe é a classe deles.

Veja abaixo o editorialzinho infame de O Globo, que coloca o Lula na condição de criminoso:

Igualdade

"Pode-se entender a benevolência do ex-presidente FH com Lula — “prefiro combatê-lo na urna a vê-lo preso” — devido à convivência dos tempos de resistência de ambos à ditadura militar.
Mas o Brasil de hoje felizmente é outro: um país em que as instituições republicanas estão sendo reconstruídas a duras penas e que, para se consolidarem, todo cidadão, não importa qual, tem de ser tratado como manda a lei.
INCLUSIVE, CLARO, Lula."

Eu também concordo com os áulicos da moral, da ética e dos bons costumes de O Globo. Nossa, eles são os verdadeiros, genuínos e autênticos varões de Plutarco da Banânia de terceiro mundo!

Já que é assim, pois sempre em nome da IGUALDADE, elenco abaixo os pressupostos crimes cometidos pelo Grupo Globo da famiglia Marinho, segundo denúncias e acusações da Receita, do MPF e da imprensa em geral, pois público e notório, apesar de tal Grupo (e não mais Organizações'?') ser blindado e protegido por quem não deveria jamais e hipótese alguma protegê-lo:

1) Golpe civil-militar de 1964;
2) Escândalo Proconsult-Globo contra Leonel Brizola em 1982;
3) Boicote às Diretas Já de 1984;
4) Edição partidária e eleitoral de matéria do Jornal Nacional sobre o último debate entre Lula e Collor em 1989, que favoreceu o Collor;
5) Preferência, nas eleições presidenciais, pelos candidatos tucanos FHC, José Serra e Geraldo Alckmin;
6) Manipulação de tratativas e de negociações para ter o monopólio de eventos esportivos, principalmente o futebol;
7) Defesa intransigente e histórica dos interesses de grupos econômicos estrangeiros e apoio feroz às privatizações do patrimônio público nacional, além de sempre ser contrário às leis trabalhistas, à previdência social pública e aos investimentos em infraestrutura, saúde e educação, tanto é verdade que os dois últimos setores estão congelados por 20 anos, com apoio do Grupo Globo;
8) Sonegação fiscal, sendo que o Grupo Globo foi notificado 776 vezes(!);
9) Apreensão de equipamentos sem recolhimento de impostos;
10) Sonegação de Imposto de Renda relativo à compra dos direitos de transmissão da Copa de 2002;
11) Prática de fraude contábil ao negociar o perdão de dívidas junto ao banco JP Morgan, no valor de R$ 158 milhões, sendo que o Grupo Globo foi multado pelas autoridades competentes em R$ 730 milhões;
12) Em 2006, a Receita cobrou uma multa da Globo de R$ 615 milhões relativa à Copa de 2002;
13) O processo sobre a Copa de 2002 "desapareceu" da sede da Receita no Rio;
14) A servidora da Receita, Cristina Maris, foi responsabilizada pelo crime e condenada a quatro anos de prisão;
15) O processo escafedeu-se e a servidora mudou de nome, de endereço e foi solta pelo juiz do STF, Gilmar Mendes;
16) Em 2006, Globo repassou à Unesco somente 10% do que foi arrecadado pelo Criança Esperança desde 1986; e
17) Participação efetiva, diuturna, feroz e de mobilização junto à classe média coxinha para a derrubada de Dilma Rousseff, presidente reeleita democraticamente e legalmente por mais de 54,5 milhões de votos.

Como se vê e se percebe, esses são apenas alguns dos crimes perpetrados pelo o Grupo Globo, de acordo com as notícias veiculadas pela própria imprensa de mercado pertencente ao baronato de seis a oito famílias. Porém, tais episódios estão publicizados na internet, assim como a Receita, o MPF e outros setores de investigação e fiscalização do Estado nacional foram acionados para que tomassem as devidas providências contra o Grupo Globo dos Marinho.

Eu concordo com o editorial dos Marinho quanto ao Lula, que até hoje nada contra o ex-presidente foi comprovado, a não ser a criminalização por ele ter governado, inclusive seus atos de governo de razões meramente burocráticas.

Os irmãos Marinho se superam quando se trata de hipocrisia e cinismo, afinal eles têm gente contratada para fazer esta parte. O editorialzinho "IGUALDADE" é um primor de jornalismo de guerra, pois partidário, seletivo, sectário, persecutório, injusto e covarde. Parece até que os Marinho aprenderam com o Judiciário brasileiro — a vergonha e o vexame do Brasil. Ou vice-versa. O editorialzinho dos Marinho traduz e retrata o verdadeiro, o autêntico e genuíno jornalismo de esgoto.

O Grupo Globo quer o Lula preso, mas não quer os irmãos Marinho na prisão. Por que será?

IGUALDADE, CLARO, também para os Marinho!


É isso aí.    

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Marisa Letícia é vítima em vida e morte do golpe, do ódio de classe da Justiça, a vergonha e vexame do Brasil

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

imagem - uol notícias

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba e principal operador da Lava Jato, e o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional da 4ª Região, continuam com suas perseguições ferozes, sendo que o TRF-4 exerce o papel de blindar as decisões do juiz midiático e heróis dos coxinhas tresloucados, que apoiaram mais um golpe de estado na Banânia e se voltaram contra seus próprios direitos sociais, constitucionais, trabalhistas e previdenciários. Uma loucura digna para psiquiatra analisar e avaliar, bem como objeto de estudos acadêmicos.

Sérgio Moro, juiz de primeira instância, cometeu vários crimes, que foram apontados e definidos por vários colunistas em inúmeros veículos de comunicação, os tradicionais da velha imprensa de mercado e os que compõem uma gama enorme de sites e blogs na internet, bem como juristas respeitados, professores e doutores em Direito e até mesmo organizações internacionais, além da OAB, questionaram as ações arbitrárias, seletivas, parciais, partidárias do magistrado paranaense, sendo que algumas nitidamente injustas e arbitrárias, o que, certamente, levarão o juiz Moro a ser responsabilizado por seus crimes e ilegalidades.

Crimes que já foram denunciados incontáveis vezes pelos jornais, sites e blogs, assim como chamaram a atenção, inclusive, de inúmeros fóruns nacionais e internacionais, porque o que realmente se vivencia no Brasil é que o Poder Judiciário está hiperatrofiado e, com efeito, tomou para si o poder político e partidário, a significar que está a governar indevidamente no lugar dos políticos eleitos pelas urnas soberanas, cujos votos são as procurações para que o eleito governe em nome da população.  

A verdade é que os procuradores e juízes, com o apoio do braço repressor e armado, a Polícia Federal, estão a criar jurisprudências próprias, conforme os réus e suas posições no arcabouço político e partidário brasileiro. É inacreditável, mas o juiz Sérgio Moro, juntamente com os operadores da Lava Jato, dentre inúmeros crimes e arbitrariedades que cometeu, porque de ordem pública e notória, cito as gravações ilegais em mictórios de presos e as de conversas realizadas no escritório dos advogados de Lula.

Isto mesmo, Moro e procuradores mandaram a Polícia Federal gravar, de forma ilegal, diálogos de advogados, que são protegidos por lei, pois o interesse era saber o que a defesa de Lula estava a organizar para defender seu cliente. Tal ação de caráter fascista é um tapa na cara do Estado de Direito praticado por servidores públicos da Justiça e do MPF. Só no Brasil do golpe e dos golpistas tais crimes podem ser cometidos e seus autores livres de punições e até mesmo de um simples puxão de orelha por parte dos órgãos fiscalizadores da Justiça e do Ministério Público.

Ainda ocorreram as gravações vazadas pela Lava Jato de dona Marisa Letícia com o Lula, os filhos e os amigos, de maneira que assuntos domésticos e comentários sobre a conjuntura brasileira fossem para as telas sujas do jornalismo medieval e de guerra da Globo, porque repercutidos pelos empregados da empresa monopolista dos Marinho, pois que associada aos membros da Lava Jato, que se vivessem em um país civilizado a esta hora estariam demitidos para o bem do serviço público, processados, julgados e muitos desses servidores seriam, evidentemente, presos.

Imagine, cara pálida, se um juiz dos EUA, ainda mais de primeira instância, vazasse as conversas entre o ex-presidente Barack Obama e o atual Donald Trump? Sem sombra de dúvida que seria imediatamente afastado e punido, sendo que certamente seria preso. E por que esses crimes de conspiração e violação de direitos e garantias constitucionais aconteceram? Respondo. Para impedir que o Lula fosse nomeado chefe da Casa Civil e, com efeito, tentar restabelecer a base do governo de Dilma no Congresso.

O juiz Moro para intervir na política e impedir que o Lula fosse ministro, porque imbuído de combatê-lo politicamente e preparar o terreno para retirá-lo da corrida presidencial de 2018, vazou criminosamente os diálogos entre uma presidente no poder com um ex-presidente, pois o objetivo era impedir a reação do governo trabalhista contra o golpe do impeachment, que já estava a ser posto em prática por uma quadrilha chefiada pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), atualmente a exercer o "cargo" de presidiário.

A trama ardilosa dos covardes e sociopatas contou com a participação especial do vice-presidente traidor e quiçá o homem mais indigno produzido pelo Brasil, que responde pela alcunha de *mi-shell temer (PMDB), a ter ainda o irresponsável e incendiário, senador Aécio Neves (PSDB), que por duas vezes escapou da cadeia graças à pusilanimidade e à cumplicidade do STF, como importante comparsa para que o golpe de terceiro mundo fosse concretizado.

O apoio velado e tácito do STF ao tradicional golpismo da casa grande, pelo fato de a Corte ser a base de sustentação do golpe de estado bananeiro, que derrubou do poder a presidente reeleita e legítima, Dilma Rousseff, que recebeu dos brasileiros 54,5 milhões de votos, que foram de forma infame e sórdida invalidados por uma cambada de cafajestes que hoje desmontam o estado nacional, retiram direitos e garantias dos trabalhadores e extinguem dezenas de programas sociais de inclusão social.

O resultado de tamanha irresponsabilidade e infâmia do desgoverno que transformou o Palácio do Planalto em covil de chacais por quadrilheiros que usurparam o poder central acarretou o recrudescimento da violência no País, que explodiu, bem como a miséria voltasse a ressurgir com força, após imenso esforço governamental dos governos Lula e Dilma, cuja FAO, antes do golpe terceiro-mundista, reconhecer oficialmente que a fome no Brasil praticamente estava abolida até o ano de 2015. A FAO reconheceu que o Brasil saiu do mapa da fome nos governos trabalhistas do PT. Com o descalabro do desgoverno *temer, a fome está novamente presente.

O golpe bananeiro e cucaracha que colocou no poder central bandidos de toda monta e espécie também teve a finalidade de enfraquecer a governança da mandatária legítima e constitucional, a fortalecer o processo de deposição da presidente de esquerda, por intermédio das mídias de negócios privados e do Congresso e do próprio Judiciário, além de demonizar a imagem das duas principais lideranças do PT perante o público, principalmente o de classe média, altamente conservador, reacionário, colonizado e irremediavelmente manipulável. E assim foi feito.

O resultado dessa mixórdia e bagunça generalizadas com a cumplicidade e a aquiescência do STF e da PGR foi a comoção gerada pelo Juiz Sérgio Moro junto aos coxinhas celerados, que odiaram profundamente a pequena ascensão social de milhões de brasileiros pobres. Tal realidade causou profundo e amplo ódio aos 30% da sociedade deste País desigual, injusto e violento que sempre, em todos os tempos da história do Brasil sempre tiveram acesso ao Estado, à educação, à saúde, aos empregos e rendas, ao lazer e entretenimento, ao patrimônio e ao consumo. Coxinhas jamais se preocuparam com a corrupção. Ponto.

Tanto é verdade que o sujeito traidor e golpista, que responde pela alcunha de *mi-shell temer está a usurpar o poder, bem como os coxinhas estão quietos em suas casas, a serem cúmplices e copartícipes dessa bandalheira toda, com direito, inclusive, a ver o Brasil extinguir os programas de inclusão social e a entregar seu patrimônio público e suas riquezas naturais, em um feirão criminoso, pois de lesa-pátria e que no futuro poderá deixar o desenvolvimento social e econômico do País em xeque. E os coxinhas irresponsáveis a verem novelas e a sonhar com viagens a Miami. Durma-se com um barulho desse...

Todo brasileiro e brasileira sabe e compreende, a despeito de suas crenças e opiniões políticas e partidárias, se apoiou e participou do golpe de estado de 2016 ou não, que a Justiça deste País colonizado e de terceiro-mundo é a vergonha e o vexame do Brasil. Todo mundo sabe, até mesmo os coxinhas de almas destrutivas e com baixíssima estima percebem que a Justiça é o alicerce principal da construção do golpe bananeiro da casa grande, que se consolidará com o impedimento de Lula ser candidato a presidente ou ser preso mesmo sem quaisquer culpas de ter cometido os crimes a ele imputados. Isto é literal.

Contudo, não basta aos juízes e procuradores esculacharem a democracia, o Estado de Direito e a Constituição. É necessário a esses senhores doutores e pretensiosamente fidalgos, que vivem em um mundo muito distante das necessidades e das realidades do povo brasileiro, tripudiar aqueles que eles consideram como inimigos políticos, além de tratá-los como réus sem direito à presunção da inocência e ao amplo direito de defesa, conforme rezam a Constituição e os Códigos Civil e Penal.

Entretanto, o Brasil de hoje está submetido a um regime de exceção, cujos responsáveis pelo arremedo de democracia e pela dissolução do Estado Democrático de Direito são os garantidores do golpe de Estado de 2016, que ora se encontra inacabado, pois completar-se-á somente com o impedimento do ex-presidente Lula de concorrer às eleições de 2018.

Os garantidores do golpe são o STF, a PGR (MPF), a PF e a Lava Jato, que implantaram um estado policial no Brasil e retaliam todos setores e segmentos democráticos e que defendem as liberdades civis, a exemplo das universidades, que estão à mercê de atos violentos perpetrados por agentes de estado armados e que, apesar do tempo traduzido em décadas, voltaram a exercer a repressão, a censura, a arbitrariedade e a violência dos tempos dos gorilas da repressão ocorrida no Brasil de 1964 a 1985.

Não tem jeito. As décadas passam, realiza-se uma Constituinte e se promulga a Constituição mais libertária e democrática de todos os tempos, a ser uma das mais completas e progressistas do mundo, mas anos depois, por causa de um golpe de terceiro mundo ocorrido em 2016, ressurge com força a cadela do fascismo na Presidência da República, nos ministérios, no Congresso, no Judiciário, no MPF e na PF e em amplos setores da sociedade civil, em uma onda reacionária e conservadora sem precedentes, de forma não somente aniquilar o patrimônio público estatal, assim como retirar direitos, garantias e benefícios do povo brasileiro, sendo que muitos deles conquistados há cerca de 60 e 70 anos.

Juízes, delegados e procuradores, oriundos da classe média coxinha, que reagiram com fúria à ascensão dos pobres e à luta pela independência e soberania do Brasil, até porque se eles estivessem preocupados com a corrupção, com a moral e com os bons costumes, os golpistas, que estão a ocupar o poder ilegalmente, já estariam mortos ou depostos. A verdade é que os togados e meganhas se juntaram aos interesses da iniciativa privada nacional, bem como se submeteram aos desejos dos governos dos países colonizadores e dos trustes internacionais.

Os togados e meganhas simplesmente são servidores públicos antinacionais, antidemocráticos, antipopulares e demonstraram sem dúvidas, a cada dia que passou nos últimos três anos, que têm lado, ideologia, preferências partidárias, o que, sobremaneira, hiperatrofiou a Justiça, o MPF e a PF, além de assegurarem que a quadrilha que tomou de assalto a Presidência da República continue no poder e a fazer todo tipo de cafajestada para que o Brasil fique à mercê de retrocesso político, econômico e moral, de forma que retornemos à condição de uma sociedade similar às do início do século XX e do século XIX, apesar de toda tecnologia do ano de 2017 do século XXI.

E o que tudo isto tem a ver com a dona Marisa Letícia? Respondo: Tem, e muito. Quando o TRF-4, o mesmo que politicamente e arbitrariamente irá condenar o Lula sem provas em segunda instância, mas com a intenção de alijá-lo da disputa presidencial de 2018, resolve, do alto de seu autoritarismo negar o pedido do advogado de defesa do ex-mandatário, para que fosse declarada a absolvição sumária de sua esposa já falecida, nota-se, claramente, que a negativa tem o propósito leviano de disputa pelo poder por parte de alguns juízes.

O desembargador João Pedro Gebran Neto está a avisar que o Lula, o PT, seus aliados e os milhões de eleitores que votam no PT e no Lula, bem como tudo o que ele representa não importa ao Juízo e que, mesmo se o Lula tiver razão sobre o que pede à Justiça, manter a dúvida sobre a moral e a honra de dona Marisa Letícia é importante para manter a esquerda e as forças democráticas e progressistas sob a espada de Dâmocles.

Mantê-lo sob pressão, não lhe dar trégua, humilhá-lo e fazer com que Lula e sua família sejam considerados pessoas desonestas, que somente se locupletaram quando o político mais importante do Brasil, que lidera as pesquisas eleitorais a passos largos, estava no  poder se tornou uma obsessão e, mais do que isto, uma estratégia política diabólica, que tem por finalidade fazer com que o maior político da história do Brasil, a ter ao seu lado Getúlio Vargas como fenômeno político e eleitoral, não tenha condições de retornar o poder e, consequentemente, dar continuidade ao seu programa e projeto nacionalistas, cujas estratégias visam transformar o Brasil em uma Nação soberana, independente, autônoma, livre e democrática, com justiça social e igualdade de oportunidades.

E tudo isto é que os meganhas e togados coxinhas do MPF, da PF, do STF e da Vara do Moro não querem, pois, do contrário, terão de ver novamente pretos, pobres, nordestinos, índios, mulheres, gays e pessoas especiais terem de volta os espaços perdidos após o golpe de estado efetivado por uma escória que se alojou no Palácio do Planalto, a transformá-lo na casa da mãe Joana, porque tal escumalha associada aos diferentes setores da direita brasileira tem, indubitavelmente, o propósito de desmontar o pequeno estado de bem-estar social que foi edificado, a duras penas, no decorrer de um pouco mais de 13 anos.

Por isso que fustigar pessoas vinculadas e que militam na esquerda é essencial para os fascistas e os golpistas que se distribuem, atuam e agem em todos os segmentos e setores do Estado nacional, de forma que até as pessoas mortas, a exemplo de dona Marisa Letícia, tenham sua memória, honra e moral violadas por sabotadores da cidadania e do respeito a quem merece, como a esposa de Lula, que jamais participou de ilegalidades e malfeitos, como comprovam todos os autos dos processos.

Como sempre afirmo, a Justiça brasileira e, especialmente o STF, é a vergonha e o vexame do Brasil. Ninguém acredita e leva fé em juízes ímpios e que causam graves danos à Nação por causa de suas irresponsabilidades e por defenderem, doa a quem doer, o status quo da casa grande nacional e da plutocracia internacional. O Judiciário, o MPF e a PF se transformaram em guardas pretorianas do mercado financeiro internacional e dos trustes estrangeiros que estão a se esbaldar com as riquezas e os patrimônios do Brasil, que foram construídos no decorrer de gerações de brasileiros.

Essa gente não tem noção de nada, quanto mais de soberania e estratégias de desenvolvimento. Como pode uma coisa dessa? Só no Brasil que servidor público é privatista, mercantilista, antipatriótico e ainda odeia seu próprio povo, principalmente os servidores de alto escalão ou que estão a ocupar lugares de poder e mando.

É nítido como demonstram arrogância, prepotência e fazem questão de ostentar suas condições de classe social e de pessoas aptas a viver nos países considerados desenvolvidos, mas não em um republiqueta bananeira, que, por azar, eles nasceram. São patéticos e não têm compromisso algum com o País e os interesses do povo e dos trabalhadores, os maiores responsáveis, sem dúvida, pela construção do Estado nacional e pela geração de riquezas no Brasil. São realidades indiscutíveis, pois públicas e notórias.

Não permitir que dona Marisa Letícia seja sumariamente absolvida é ação absolutamente insensata e tóxica. Trata-se de covardia e perversidade inomináveis, porque de fundo político, ideológico e partidário. O desembargador João Pedro Gebran Neto considera que "a questão é absolutamente estéril" e "Se isso se dá na forma da absolvição sumária ou posteriormente, com a extinção da punibilidade, é irrelevante do ponto de vista material".

O juiz do TRF-4 que considerou a sentença injusta e politizada do juiz Sérgio Moro uma pérola de competência, mesmo sem ter provas contra o Lula, além de o próprio magistrado reconhecer na própria sentença condenatória assinada por ele que o "crime" do político do PT não ter sido comprovado, o que se torna algo surreal e de uma injustiça e imoralidade a toda prova. Gebran Neto considera para não atender o pedido da defesa de Lula, quanto à inocência de dona Marisa Letícia, que está garantida a extinção da punibilidade em caso de óbito e ficam preservados todos os atributos da presunção de inocência.
    
Se é assim e se "a questão é absolutamente estéril", assim como "irrelevante do ponto de vista material", como o disse o desembargador do TRF-4, então por que ele não atende o pedido dos advogados de Lula, "na forma de absolvição sumária?" Irrelevante é irrelevante, ou seja, não tem importância. Então por que manter a dúvida perante a sociedade sobre a conduta, a moral e a honestidade de dona Marisa Letícia? Repondo: política, partidarismo e preconceito de classe e ódio às políticas públicas e à diplomacia dos governos de Lula e de Dilma.

Por isto e tudo o mais que o valha serem o STF, a Justiça em geral, o MPF e a PF as vergonhas e os vexames institucionais e corporativos do Brasil. O povo aos poucos está a perceber a perseguição declarada e de caráter canino contra a esquerda, as forças progressistas e, principalmente, contra o Lula e o PT.


Todo mundo percebe e, o mais importante, compreende a perseguição e partidarismo sem precedentes. Não é à toa, doutores togados e meganhas, que o ex-presidente Lula lidera as pesquisas eleitorais depois de três anos de linchamento em praça pública, com grande participação da imprensa de mercado mais venal, corrupta e golpista do mundo ocidental. Liberdade e respeito à Marisa Letícia(!), mesmo a não estar mais de corpo presente entre nós. É isso aí.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Luís Stuhlberger, investidor pária e apátrida, diz que Lula não é risco e se o for levará golpe de estado

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

Luís Stuhlberger: sujeito sem juízo e se considera sério.

O jogador inveterado do mercado, Luís Stuhlberger, que todo dia deve vibrar e comemorar o golpe de estado terceiro-mundista sofrido pela presidente legítima, Dilma Rousseff, com um sorriso próximo do escárnio que vai de orelha a orelha, afirmou que o tão propalado "risco-Lula" é uma hipotética realidade que não assusta o mercado de capitais, que não produz um grão de feijão ou de arroz.

Para ele e tantos outros párias e apátridas que não têm quaisquer compromissos com o País e seu povo, se Lula conquistar a Presidência pela terceira vez o Congresso não iria se curvar a um político de esquerda que, certamente, terá cerca de 60 a 70 milhões de votos, porque, segundo o jogador do mercado, o Brasil não está mais no ano de 2003.

A alusão ao ano de 2003 feita por um dos falcões da jogatina do mercado de ações, significa que ele quer dizer que o presidente mais importante da história do Brasil, juntamente com o trabalhista e patriota, Getúlio Vargas, não teria apoio e muito menos liberdade para governar e efetivar seu programa de governo apresentado e aprovado pela maioria dos eleitores por intermédio do voto constitucionalmente independente e soberano.

A verdade é que Stuhlberger exerce o papel de porta-voz do mercado de caráter golpista e que pretende, por intermédio do desgoverno corrupto, entreguista e traidor de *mi-shell temer, lucrar ao máximo com a jogatina no mercado de ações, com a venda criminosa do patrimônio público e das empresas estatais, que estão a ter seus ativos superdesvalorizados, a propiciar que as riquezas do Brasil sejam vendidas a preço de banana.

Dessa forma as transnacionais privadas e os governos dos países ricos passarão a controlar o patrimônio do Brasil e até mesmo suas políticas públicas governamentais, o que é um absurdo inaceitável, assim como determinar os preços, inclusive, de setores e segmentos estratégicos para a sobrevivência de milhões de cidadãos pobres, a exemplo do gás de cozinha e da energia, bem como o desenvolvimento e a soberania do País e do povo brasileiro ficarão à mercê dos humores do mercado e da ganância de muita gente da estirpe de Luís Stuhlberger.

Acontece que o ex-presidente Lula não é um político qualquer, pois se trata de um fenômeno social, político e eleitoral. Lula, diria Nelson Rodrigues, "é um fenômeno da natureza!" O que este sujeito sem eira nem beira, que pensa que o mercado é Deus, pouco importa, porque no Brasil existem dezenas e dezenas de milhões de brasileiros que pensam totalmente o contrário desse indivíduo, que ainda não percebeu ou dissimula não perceber que, quando Lula iniciou sua vitoriosa trajetória, juntamente com sua equipe, oito anos depois deixou o poder com impressionantes 87% de aprovação popular, um recorde mundial, a superar Nelson Mandela — presidente histórico da África do Sul e de fama mundial.

A verdade é que Lula mostrou e ensinou aos capitalistas como se investe corretamente o capital público, ou seja, o Orçamento da União. Lula investiu em infraestrutura, programas de inclusão social, valorização do trabalho e do ensino, concretizou parcerias comerciais em mercados para os quais o Brasil da casa grande sempre, arrogantemente, deu as costas.

O negócio para gente do nível mental de Stuhlberger, a exemplo dos golpistas e usurpadores que tomaram de assalto o Presidência da República, é ser eternamente colônia dos EUA e servi-lhes como subalternos e subservientes, sempre exaltar seus papéis infames de sabujos do grande capital internacional.

Stuhlberger fala por quem e para quem, cara pálida? Qual é a importância desse sujeito para a sociedade brasileira? Qual é seu poder político perante aqueles que em hipótese alguma compartilharão com seu pensamento venal, leviano e complemente antagônico aos interesses dos trabalhadores, das donas de casa, dos aposentados e dos estudantes deste País.

Quem o ouve, a não ser seus iguais? Alguém o leva a sério? Só se for os políticos e os empresários que somente pensam em viver sob os ditames da opulência, da riqueza e que se dane a humanidade composta por nações. O povo brasileiro sabe onde o calo aperta e quem fez mais por ele, quem se dedicou para que sua vida melhorasse. E esta pessoa é o Lula e não o fanático coxinha do mercado que atende pela alcunha de Luís Stuhlberger.

A população jamais irá ouvi-lo e levá-lo a sério. É impossível acreditar em um predador, que não tem a mínima condição moral e histórica para falar de questões brasileiras e dos seus problemas e demandas. Tal jogador da seita do mercado e fundamentalista do lucro fácil se tivesse um mínimo de senso lógico e "simancol" calaria sua boca imprudente e trataria de ficar a contar diuturnamente sua fortuna até envelhecer, "à espera da morte chegar", como diria o poeta Raul Seixas.

Lula é politicamente muito maior do que pensam as pessoas de pouca importância social e política como o Stuhlberger. Sua diplomacia arrojada e corajosa, comandada pelo diplomata Celso Amorim, evidenciou e notabilizou o consenso que o Brasil tem tudo para ser uma potência mundial em todos os setores de atividade humana. E foi exatamente isto que desgostou e contrariou o sistema de capitais liderado pelos EUA e financiador de golpes e contragolpes em países que lutam para serem independentes e soberanos. O Brasil é um deles.

Lula fez a economia real se desenvolver e a abrir espaços, empregos e oportunidades aos brasileiros de todas as classe sociais e etnias. Ah, cara pálida, como essa realidade desagradou gente perversa e endinheirada como o insigne príncipe do mercado improdutivo chamado de Luís Stuhlberger. "O quê? Lula fazer a roda da economia realmente girar, para transformar o Brasil em uma máquina criadora de riquezas e renda, ao ponto de pagar a dívida externa e colocar o País na sexta posição, no que concerne ao PIB em âmbito mundial?! É muito desaforo" — deveriam dizer os reis do capital volátil e da produção real próxima de zero. Ponto!

E o Lula é chamado de comunista por parte de empresários dementes e coxinhas celerados. Porém quem movimentou a economia para valer e fez o capitalismo se fortalecer, a começar pelos altos índices de criação de empregos e por causa do alto nível de consumo por parte da população foi o governo trabalhista de Lula, assim como o primeiro de Dilma Rousseff, antes de ser deposta por gente igualzinha ao jogador Stuhlberger.

A verdade é que o apoiador de golpe de estado, Luís Stuhlberger, um dos maiores predadores da esperança de dias melhores do povo brasileiro que luta para ter uma sociedade solidária e justa, fala qualquer coisa ou bobagem para se associar ao reacionarismo, ao retrocesso e ao atraso. Stuhlberger realmente faz questão de ressaltar que o mercado está aí para qualquer eventualidade, cujo objetivo é sabotar e boicotar um hipotético Governo Lula.

Como o Lula lidera as pesquisas eleitorais e têm índices maiores do que todos os candidatos juntos, Stuhlberger achou por bem fazer sua fezinha e mostrar aos predadores e golpistas deste País que, se depender dele, o Lula, se vencer as eleições, será alvo de impeachment, ou seja, de golpe, porque, de acordo com a cabeça doentia desse sujeito, o Congresso continuará safado, bastardo, traidor, usurpador e golpista igualzinho ao atual e aos bandidos que o Stuhlberger e outros de sua corriola ajudaram a colocar no Palácio do Planalto.

Esse indivíduo age como se fosse um líder político e agitador, no bom sentido, das massas. Só que ele apenas é um jogador poderoso, mas jogador, que não lidera a sociedade, porque para a sociedade ele não é ninguém, pelo simples fato de ser desconhecido e não ter influência social, já que um coxinha de escritório luxuoso, que jamais e em hipótese alguma caminharia pelas ruas e calçadas dos bairros e lares pobres da cidade onde mora e do Brasil em geral.
  
Ousado, folgado e atrevido, como o é geralmente qualquer sujeito endinheirado, Stuhlberger considera que o Lula ficará sob a tutela do Congresso. Ledo engano, mas compreendo que o milionário jogador do mercado queira defender as ações danosas, traidoras e prejudiciais aos interesses do Brasil e de seu povo quanto às medidas dignas de um pústula perpetradas por *mi-shell temer. Para o mercado é bom, acredita o Luís Stuhlberger.

Contudo, Lula eleito pela terceira vez irá revogar as medidas determinadas por um "presidente" ilegítimo tratado como pária internacional, bastardo por não ter o povo como seu pai e odiado por mais de 90% da população brasileira. O gestor da Verde Asset, do alto de sua petulância citadina e arrogância digna de sua insignificância política e de um César desprovido do Estado, resumiu suas boçalidades e analfabetismo político com suas perguntas idiotas e consequente respostas cretinas:

"Afinal, o quê Lula quer? Por que intenciona ser presidente de novo?" O golpista ainda considerou a agenda de Lula "raivosa". É isto mesmo, acredite. Essa cambada de golpistas que formou um consórcio de bandidos para derrubar a presidente reeleita legalmente com 54,5 milhões de votos considera que o Lula não vingará se for eleito. Ou seja, o irresponsável Stuhlberger, como ficou configurado que a casa grande deste País é completamente irresponsável e perniciosa, está realmente a falar em golpe de estado se Lula mexer na sujeira e na podridão que o golpista *mi-shell temer deixará como legado para o próximo presidente eleito.

É inacreditável, mas o fato é que Stuhlberger, em nome do mercado, está a pautar a agenda da Presidência da República, sendo que o presidente poderá ser o Lula, que, obviamente, jamais ouvirá o mercado, como ele bem disse: "O mercado não vota e não coloca comida na mesa do trabalhador". Que se dane o mercado do senhor Stuhlberger! Nunca ganharam tanto dinheiro os empresários brasileiros e que produziram como nunca nos governos de Lula. Eles sabem disso, porque ninguém é idiota e burro.

Stuhlberger fala de espiral inflacionária e ainda acha que o povo, que no desgoverno corrupto de *temer está a passar fome e a não ter emprego apoiará um novo golpe do impeachment, para logo vaticinar do alto de sua mediocridade política: "(...) é tudo o que Lula não quer". Disse ainda o estafeta dos ricos e muitos ricos: "O compromisso de Lula é com a vida pessoal dele e por isso a campanha será 'sangue nos olhos".

Esse pessoal só pensa em juros e aplicações, com dinheiro no exterior e a aplicar sua volatilidade, a exemplo dos ventos, que vão em vem, de acordo com a grana altíssima que possa ganhar, com o mínimo de esforço, mas com o sangue e o suor dos trabalhadores. Ele fala em "sangue nos olhos" e nunca sangrou para valer. Stuhlberger fala pelos interesses do mercado e explicita que a curva de juros "precifica entre 70% e 80%", além de acreditar que o Lula não concorrerá nas eleições de 2018.

Quem tem sangue nos olhos é o mercado financiador de golpe de estado contra o Brasil e não o Lula, que sempre se submeteu aos ditames da Constituição e do Estado de Direito. Certamente que o capitalista está a pensar na ajuda da Justiça, do MPF e da Lava Jato para impedir a candidatura Lula. Contam com o tapetão, mas sabem que até outubro de 2018, ou melhor, agosto, muita água vai passar por debaixo da ponte. O jogador Stuhlberger sabe que o Lula no poder a economia vai andar, até porque o líder trabalhista não é novidade no Brasil e no mundo. 

Então por que o mercado do Stuhlberger fica a fazer babaquice e palhaçada? Respondo: Porque eles querem entregar o petróleo, o Pré-Sal, o sistema Eletrobras e tudo que seja patrimônio público. Querem controlar a energia em todas suas formas e entregá-la nas mãos dos grandes capitalistas internacionais, sendo que os colonizados e fantoches daqui ficam com a sobra, que evidentemente é muito dinheiro.

Esse caras querem também controlar e determinar o que será feito com o Orçamento da União. Eles não querem que o dinheiro público sirva para melhorar a vida do povo, no que tange à infraestrutura, à educação, à saúde, ao transporte, ao saneamento básico e aos programas de inclusão social, porque investir é caro e por isto considerado por esses cretinos como "gastos".

Dou um exemplo da cretinice e da safadeza dessa gente rica: emprestar para pobre é "gasto", e o Lula e a Dilma emprestaram por intermédio dos bancos de fomento e públicos. Agora, emprestar para rico é "investimento", só que os ricos, muitos deles, não investem, e ainda não pagam o que devem aos bancos públicos, pois protelam os pagamentos por meio de processos advocatícios, que adiam o pagamento de suas dívidas milionárias por décadas a fio. Malandragem pura.

Stuhlberger defendeu as "reformas" trabalhista e previdenciária, como estão, ou seja, a ferrar com o trabalhador na ativa e depois com o aposentado, que, na inatividade, já começa a ganhar menos de quando ainda trabalhava. Inacreditável e inaceitável, porque o jogador trata todo mundo como se fosse idiota. Simples assim. Reforma, como bem define o substantivo, é para melhorar. O que o desditoso e tenebroso desgoverno de *mi-shell temer está a fazer é piorar, e muito, as condições de vida do povo brasileiro. Não há quem aguente tanta hipocrisia e cinismo.

Lula não representa o mercado, bem como quem vota no político de esquerda também não confia no mercado de capitais e na jogatina pornográfica e descontrolada que vive de juros escorchantes e das dívidas pública e privada. Lula governa para a maioria da população e, evidentemente, após do golpe de estado efetivado por quadrilheiros irmanados em uma súcia, certamente que o Lula, com o apoio do povo que o elegeu, irá revogar as ações sórdidas, infames e traiçoeiras do golpista e usurpador *mi-shell temer — o Ilegítimo!

Lula não é risco. "Risco-Lula" é terrorismo e má-fé do mercado. Risco para o País e a Nação é o Brasil ficar à mercê das ganâncias e perversidades do mercado socialmente irresponsável do senhor Luís Stuhlberger, que já fala, dissimuladamente, em segundo golpe, em menos de dois anos. Seria o recorde mundial da Banânia (Brasil deles) dos milionários e bilionários da casa grande eternamente bananeira e cucaracha, colonizada e subalterna. É isso aí.